Histórico

Criação

A reflexão sobre a complexidade dos processos que envolvem a rodovia BR-319 e a heterogeneidade dos atores envolvidos geram diversas interpretações. Os discursos relativos a este tema sistematicamente superestimam os benefícios da rodovia e subestimam seus impactos. Visando aprofundar este debate, em julho de 2017 diversas ONGs ambientalistas que atuam no estado do Amazonas se reuniram e alinharam seus posicionamentos em relação à recuperação/reconstrução da rodovia BR-319, chegando ao consenso de que medidas prévias mínimas devem ser implementadas com o objetivo de garantir o ordenamento territorial e a gestão ambiental na região. A partir deste entendimento, surgiu a ideia da criação do Observatório BR-319.

Sendo assim, as ONGs que participaram da fundação do Observatório foram:

Em 2018 a primeira versão do site do Observatório foi lançada com apoio da Fundação Gordon & Betty Moore. Esta é uma importante ferramenta para divulgação dos estudos realizados na região, gerando conhecimento e entendimento sobre a estrutura de governança e dinâmica do desmatamento e uso da terra, além de instrumentar atores locais e tomadores de decisão na proposição de melhorias para a gestão dos recursos naturais e atuação qualificada em processos decisórios.

Fazem parte desse observatório instituições e pessoas comprometidas com o desenvolvimento sustentável da região do interflúvio Purus-Madeira e, consequentemente, dos estados do Amazonas e Rondônia. O Observatório BR-319 é aberto a movimentos sociais e outras organizações e pesquisadores que queiram integrar esta importante rede.